Enquadramento

Na Grécia existe um povo que pertence a Lugar-nenhum. O Oriente gritou-lhe guerra e o Ocidente levantou-lhe arame farpado; (sobre)vive em trânsito, de morada incerta e futuro pintado em fracções de 24 horas. Esse povo é feito de gente do Oriente Médio, de semblante gasto mas de sonhos incansáveis.

A ideia para este projecto nasceu durante a estadia num campo de refugiados afegãos, porque é urgente comunicar uma realidade que está a acontecer nas margens da Europa e que, ainda assim, nos é tão distante.

É urgente reflectir na carta de direitos humanos e no nosso papel enquanto cidadãos de um mesmo mundo. É urgente despertar.

Os Afegãos

“Há uma resposta política restrita que legitima os refugiados da Síria, enquanto outros grupos de migrantes – classificados como migrantes económicos ou voluntários – são representados como estando a aproveitar-se da situação dos refugiados sírios para conseguirem um lugar na Europa. Mas para muitos migrantes não há realmente uma escolha. Para alguns, permanecer no seu país significa sofrer a violência imposta por grupos radicais ou arriscar a vida em guerras civis. Para outros, significa viver numa favela sem acesso a água, electricidade ou sequer qualquer oportunidade de trabalho que lhes permita esculpir uma vida melhor.”

Violent Borders, Reece Jones

Factos e Números

Em 2010, o Afeganistão foi considerado o país mais perigoso do mundo, após a análise de taxas de crime, terrorismo e instabilidade geopolítica. [1]

Em 2011, foi considerado o país mais perigoso do mundo para mulheres, analisando taxas de violência sexual, violência geral, factores culturais ou religiosos, e tráfico humano. [2]

Em 2016, foi registado pela ONU o maior número de vítimas civis no Afeganistão. Mais de 900 vítimas foram crianças. [3]

No mesmo ano, a União Europeia considerou o Afeganistão seguro o suficiente para deportar requerentes de asilo [4] [5], e deportou cerca de 10 mil refugiados afegãos. [6] [7]

Notícias e Artigos

Exposição ARZO @ Alto Comissariado para as Migrações

Exposição fotográfica inaugurada a 11 de Novembro de 2019, na Janela Intercultural do CNAIM de Lisboa, em presença do Alto-comissário para as Migrações, Pedro Calado. Patente até ao dia 26 de Novembro. Fica a sugestão para uma exposição surpreendente pela qualidade fotográfica e pelas emoções capturadas. ~ Pedro Calado (Alto-comissário) Leia também o comunicado emitido …

Livro ARZO já disponível!

Para celebrar a #refugeeweek2019, preparámos o livro ARZO, que fala da luta travada por cada refugiado a fim de alcançar aquilo que mais deseja: o abraço de outra terra, uma casa pequena sem guerra lá fora, uma noite de descanso sem medo do amanhã. Classificado entre a crónica e o ensaio de fotojornalismo, ARZO tem …